VENDAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO NÃO SE TRADUZEM EM CONTRATAÇÕES DE MÃO DE OBRA

Com o fechamento anual da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), que pesquisou o número de trabalhadores formais e informais na atividade Construção (construções diversas, reformas, manutenções correntes, complementações e alterações de imóveis), verificou-se que as vendas positivas de materiais de construção, em 2020, não proporcionaram mais contratações de executores, como pedreiros, pintores, eletricistas, encanadores etc.

Segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), no comparativo ano de 2020 com ano de 2019, o volume de vendas (faturamento real/nominal deflacionado) do comércio de materiais de construção cresceu 10,8%, ao passo que, no comparativo trimestre terminado em dezembro de 2020 com trimestre terminado em dezembro de 2019, houve redução de 803 mil pessoas trabalhando na Construção.

Para se ter uma ideia da incoerência dessa comparação, no pior ano da série histórica do comércio do segmento, ano de 2016 comparado com ano de 2015, o volume de vendas do comércio de materiais de construção decresceu 10,7%, ao passo que, no comparativo trimestre terminado em dezembro de 2016 com trimestre terminado em dezembro de 2015, houve redução de 851 mil pessoas trabalhando na Construção.

Em suma, em 2016, o faturamento real encolheu 10,7%, paralelamente à redução de 851 mil executores. Em 2020, o faturamento real cresceu 10,8%, paralelamente à redução de 803 mil executores.

Considerando que houve em 2020 um saldo positivo de trabalhadores formais na Construção, em 112.174 celetistas, segundo o Ministério da Economia, deduz-se que essa queda ocorreu, fundamentalmente, na mão de obra informal, ou seja, pedreiros, pintores, eletricistas, encanadores, entre outros, contratados para obras residenciais e comerciais.

Talvez, nesse último ano, as construções diversas, reformas, manutenções correntes, complementações e alterações de imóveis das famílias tenham adquirido perfis atípicos, com um número reduzido de executores e com o crescimento do Faça você mesmo, principalmente nos consumidores de maior poder aquisitivo, e autoconstrução, principalmente nos de menor poder aquisitivo.

Caso esses possíveis perfis de obras perdurem em 2021, como poderão impactar os lançamentos de produtos e vendas no varejo de materiais de construção?


A Fundação de Dados é um sistema de inteligência de mercado especializado no consumo de materiais de construção, móveis e itens para o lar, que realiza pesquisas e estudos próprios, multiclientes e customizados.

Newton Guimarães

Head
newton@fundacaodedados.com.br

Clientes Parceiros