VENDAS DE IMÓVEIS NOVOS ALAVANCAM MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

Segundo a Pesquisa 2 | 2019 da Fundação de Dados, com 934 consumidores que haviam reformado seus lares no último ano, 11,8% dessas obras ocorreram em imóveis novos recém adquiridos (antes das mudanças).

Logo, concluímos que há uma relação direta entre vendas de imóveis novos pelas construtoras e incorporadoras, e vendas de materiais de construção no comércio.

Então, aproveitando o fechamento dos Indicadores Imobiliários Nacionais da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), quais foram os desempenhos do mercado imobiliário Brasil e da Grande São Paulo, no primeiro trimestre deste ano e do ano passado?

Segundo a CBIC, em dados relativos a 150 cidades distribuídas nas cinco regiões do País, no primeiro trimestre de 2021 foram vendidas 53.185 unidades residenciais novas, contra 41.832 unidades no primeiro trimestre de 2020, um crescimento de 27,1%.

Já, no primeiro trimestre de 2020 foram vendidas 41.832 unidades residenciais novas, contra 31.184 unidades no primeiro trimestre de 2019 (considerando dados revisados e divulgados pela fonte em fevereiro de 2021), um crescimento de 34,1%.

Assim, embora em 2021 o crescimento percentual seja expressivo – ainda mais diante da atual conjuntura sanitária e econômica –, em 2020, o crescimento percentual foi ainda mais expressivo no mercado pré-pandemia.

Agora, em dados Secovi-SP, restritos apenas à Grande São Paulo – maior região metropolitana do País e responsável por 16,9% do PIB nacional –, no primeiro trimestre de 2021 foram vendidas 15.400 unidades residenciais novas, contra 12.635 unidades no primeiro trimestre de 2020, um crescimento de 24,5%.

Já, no primeiro trimestre de 2020 foram vendidas 12.635 unidades residenciais novas, contra 8.565 unidades no primeiro trimestre de 2019, um crescimento de 44,4%.

Também, nessa grande região, a exemplo do Brasil, o crescimento percentual do primeiro trimestre de 2020 foi mais expressivo do que o crescimento percentual do primeiro trimestre de 2021.

Coincidentemente, tanto em meados de março de 2020 como em meados de março de 2021, em grande parte do Brasil, incluindo a Grande São Paulo, os estandes de vendas estavam fechados.

Assim, sugerimos, principalmente, três conclusões: (1) em 2020, no mercado pré-pandemia, as vendas de imóveis novos já vinham aquecidas, mesmo com uma Taxa Selic mais alta; (2) na região metropolitana mais rica do País, percentualmente, as vendas foram melhores do que no agregado Brasil, tanto em 2020, como em 2021; (3) as vendas de imóveis residenciais novos contribuíram para o crescimento do faturamento real do comercio de materiais de construção, no primeiro trimestre deste ano, de 20,4%.


A Fundação de Dados é um sistema de inteligência de mercado especializado no consumo de materiais de construção, móveis e itens para o lar, que realiza pesquisas e estudos próprios, multiclientes e customizados.

Newton Guimarães

Head
newton@fundacaodedados.com.br

Clientes Parceiros