EM 2021, VENDAS REAIS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO DEVERÃO CRESCER 3,6%

A nova Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) com os resultados de abril comparados com março de 2021, apresentou recuperação no faturamento do comércio de materiais de construção, com crescimento de 10,4%, em volume de vendas (real/nominal deflacionado), após queda de 10,2%, no comparativo março com fevereiro de 2021, e 11,4%, nominalmente (volume de vendas inflacionado), após queda de 9,3%, no comparativo março com fevereiro de 2021.

Dessa maneira, no acumulado parcial de 2021, logo, janeiro a abril, o faturamento está positivo em 1,1%, em volume de vendas, e 6,8%, nominalmente.

Porém, quais as perspectivas de fechamento para o ano?

Segundo projeções estatísticas realizadas pela empresa especializada Best Forecast Marketing e Modelagem, com apoio Fundação de Dados, tratando dados de janeiro de 2012 a abril de 2021 (nova série histórica PMC), o faturamento do comércio de materiais de construção Brasil deverá crescer 3,6%, em volume de vendas, e 21,2%, nominalmente, no ano de 2021

Assim, o comércio do segmento apresenta viés de alta, haja vista que, nas projeções estatísticas anteriores, tratando dados de janeiro de 2012 a março de 2021, o faturamento do comércio decresceria 1,7%, em volume de vendas, e cresceria 18%, nominalmente, no ano de 2021.

Caso se confirmem tais projeções, o crescimento em volume de vendas de 3,6% se dará sobre 10,8%, em 2020, totalizando durante os dois anos da pandemia, um crescimento acumulado de 14,8%.

Nominalmente, o crescimento de 21,2% se dará sobre 16,8%, em 2020, totalizando durante os dois anos da pandemia, um crescimento acumulado de 41,6%.

Assim, no ano vigente, o crescimento real será menor do que no ano anterior. De maneira oposta, devido à inflação dos materiais de construção, nominalmente, será maior.

Por fim, em se considerando a estimativa de sell out de materiais de construção de R$159,5 bilhões em 2020, nominalmente, o comércio de materiais de construção terá faturado, somente em 2021, R$33,8 bilhões.

Diante das circunstâncias, sem dúvida, um resultado admirável.


Para projeções utilizamos o modelo Holt-Winters sazonal, considerando a média entre a previsão e o limite inferior do intervalo de confiança projetado, ou seja, é uma estimativa com desconto, visando a redução do viés da bolha de consumo de 2020. Os cálculos são atualizados mensalmente, sempre apoiados nos novos resultados da PMC, incluindo revisões de dados dos meses e anos anteriores, coletados no Sistema IBGE de Recuperação Automática (SIDRA).


Newton Guimarães

Head
newton@fundacaodedados.com.br

Clientes Parceiros