Toda construção sólida começa pela FUNDAÇÃO

Dados | Organização | Análises | Conhecimento | Insights

ARTIGOS MAIS RECENTES


Lojas Físicas de Materiais de Construção Continuam Soberanas

Por Newton Guimarães, Head

Postado em 16/09/2021

Mesmo durante a fase de pesquisas pré-obra, as lojas físicas seguem como referência, porém, cercadas pela internet

Leia mais →

28,9% das Reformas Residenciais foram Inspiradas pelo Isolamento Social

Por Newton Guimarães, Head

Postado em 14/09/2021

O impacto das medidas de isolamento social nas vendas de materiais de construção, móveis e demais itens para o lar

Leia mais →

PIB da Construção está 0,5% acima do Pré-Pandemia

Por Newton Guimarães, Head

Postado em 09/09/2021

A recuperação do PIB Construção será apenas mais um voo de galinha na economia brasileira?

Leia mais →

Projeções Material de Construção Indicam Crescimento em 2021, e queda, em 2022

Por Newton Guimarães, Head

Postado em 02/09/2021

As primeiras projeções de vendas de materiais de construção para 2022

Leia mais →

O Enigma dos Imóveis Residenciais Novos em 2021

Por Newton Guimarães, Head

Postado em 31/08/2020

Dados de vendas, lançamentos e oferta de imóveis na Grande São Paulo e Brasil indicam tendências opostas.

Leia mais →

Não há só Problemas para quem Reforma o Lar

Por Newton Guimarães, Head

Postado em 26/08/2021

Resolver problemas é apenas a terceira motivação para quem realiza obras residenciais

Leia mais →

INDICADORES E INSIGHTS CONJUNTURAIS


  • No volume de vendas, Material de Construção, no comparativo mês anterior, houve decréscimo de 2,3%. Considerando como base fevereiro de 2020 (último antes do isolamento social), houve crescimento no acumulado março de 2020 a julho de 2021, de 15,5% (comparativo anterior, março de 2020 a junho de 2021 estava em 18,2%, demonstrando tendência de baixa nas vendas). No ano de 2021, está em -3,7%, também com tendência de baixa.

    Nominalmente, Material de Construção, no comparativo mês anterior, houve crescimento de 0,2%. Considerando como base fevereiro de 2020 (último antes do isolamento social), houve crescimento no acumulado março de 2020 a julho de 2021, de 49% (comparativo anterior, março de 2020 a junho de 2021 estava em 48,7%, demonstrando tendência de alta nas vendas inflacionadas). No ano de 2021, está em +10,5%, também com tendência de alta

  • Análise: em volume de vendas, o pico da nova série histórica da base comparativa mês anterior ocorreu na passagem de abril para maio de 2020, com 19,3%, marcando o início da recuperação das vendas durante a pandemia. Em julho de 2021, ocorreu o segundo resultado negativo, nessa mesma base comparativa

  • Análise: nominalmente, o pico da nova série histórica da base comparativa mês anterior ocorreu na passagem de abril para maio de 2020, com 18,9%, marcando o início da recuperação das vendas durante a pandemia